Objetivo

O objetivo deste Blog é informar as pessoas sobre os mais variados assuntos, os quais não se vê com frequência nas mídias convencionais e ajudar a esclarecer duvidas sobre a nossa complexa realidade. Não pedimos e nem esperamos que acreditem no que é apresentado aqui sem primeiro investigar por vocês mesmos, e nós insistimos que vocês o façam!
Busquem informação e ajudem a dissemina-la! Com informação vem conhecimento, com conhecimento sabedoria, a sabedoria lhe aproxima da verdade...
e a verdade o libertará!
Ouça a todos, não siga ninguém.
A única revolução é a SUA evolução da consciência!

Com o propósito de ir mais a fundo nas questões psicológicas e espirituais criei este outro blog: Evolução da Consciência

O blog Liberte-se do Sistema contém as informações que consideramos mais relevantes para ajuda-los a conectar os pontos de um modo básico, além de ser mais focado na estrutura do sistema e da sociedade. A intenção é mante-lo simples e organizado para quem está iniciando sua busca, ou simplesmente está procurando novas perspectivas.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

A Escravidão Moderna

 "Não existe pior escravo do que aquele que falsamente acredita estar livre."
- Johann Von Goethe

Poucos dos que lêem isso percebem que nós somos as pessoas as quais Goethe se referia.
Somos todos escravizados desde a infância, em uma prisão sem barras ou muros, mas pouquissimos realmente percebem isso.

"A Servidão Moderna" é um livro e um documentário de 52 minutos produzidos de maneira completamente independente.
O objetivo principal deste filme é de por em dia a condição do escravo moderno dentro do sistema totalitário mercante e de evidenciar as formas de mistificação que ocultam esta condição subserviente. Ele foi feito com o único objetivo de atacar de frente a organização dominante do mundo.

"A servidão moderna é uma escravidão voluntária, consentida pela multidão de escravos que se arrastam pela face da terra. Eles mesmos compram as mercadorias que os escravizam cada vez mais.

Eles mesmos procuram um trabalho cada vez mais alienante que lhes é dado, se demonstram estar suficientemente domados. Eles mesmos escolhem os mestres a quem deverão servir. Para que esta tragédia absurda possa ter lugar, foi necessário tirar desta classe a consciência de sua exploração e de sua alienação. Aí está a estranha modernidade da nossa época.

Contrariamente aos escravos da antiguidade, aos servos da Idade média e aos operários das primeiras revoluções industriais, estamos hoje em dia frente a uma classe totalmente escravizada, só que não sabe, ou melhor, não quer saber.

Eles ignoram o que deveria ser a única e legítima reação dos explorados. Aceitam sem discutir a vida lamentável que se planejou para eles. A renúncia e a resignação são a fonte de sua desgraça."

- Jean-François Brient


 A Servidão Moderna [Legendado]

17 comentários:

  1. A enorme sensação de impotência que vc sente depois de ver videos assim é horrível

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por uma cidade nova sem comércio nem capitalismo!
      http://www.facebook.com/CosmopolisAsCidadesDaLuz

      Excluir
  2. O maior problema é que nós achamos que nós estamos livres... Antigamente tinhamos bem claro contra o que lutar, pois a escravidão era declarada, no entanto hoje em dia as pessoas estão presas a esse conceito vago de liberdade. Libertos do que? Somos todos escravos, eu mesmo vendo meu dia para essa empresa de bosta, das 8 às 18 e recebo uma micharia e depois eu a devolvo para o sistema, à noite vou para o curso, me preparar para integrar outro nível dessa escrevidão absoluta, isso tem saida?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem, e em breve ficara bem evidente.
      Você não precisa viver na cidade tambem, essa é outra escolha. Se estiver interessado, pesquise sobre grupos que vivem afastados, colhendo o que plantam. Um bom exemplo é um grupo aqui do Rio Grande do Sul, Arca Verde.

      Excluir
    2. Interessante saber disso. Já pensei até em me matar em crises por não encontrar uma solução para essa escravidão. Mas agora vou ver se encontro algo do tipo aqui em São Paulo...

      Excluir
  3. Nunca ouvi falar de grupos assim, mas é claro que informações assim nunca sairiam com frequência na mídia, vou pesquisar com certeza. Muitíssimo obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Sinto um vazio enorme ao ver a correria do dia-a-dia, a inutilidade do que fazemos, as festas sem sentido, o egoísmo das pessoas, a violência, o trânsito estressante, a sensação de que só o dinheiro é que vale, que as pessoas não valem quase nada, que só os objetos de valor importam, para que possamos acumular, acumular e ostentar... o que sei é que tendo dinheiro ou não a minha sensação de vazio existencial só aumenta, por que o mais importante, que é a solidariedade, o importar-se com os outros está absolutamente fora de questão. E o pior é que vc sabe que poucas pessoas sentem isso. A maioria está tão envolta com essa realidade asquerosa, que nem entende o que vc fala...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é simples vá para o meio da amazonia peça abrigo a alguma tribo e fique por lá, nao tera mais de pagar internet, tv por assinatura, seguro de vida, seguro de automovel, seguro residencial, ipva iptu e nem ir a supermercados ou shopings !!!

      Excluir
    2. Isso sim seria liberdade. Cansada do sistema.

      Excluir
  5. Tem um grupo no mato grosso também que vive essa ideia.
    Porém nao sei o nome, soube atravezde uma professora minha...
    ainda irei lá conhece-los para crescer como humano verdadeiramente...;]

    ResponderExcluir
  6. queria que voce falasse um pouco sobre a violencia .. que tal ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. To sem tempo pra fazer texto, como pode ver o blog ta meio "abandonado" de artigos recentes. Se quiser fazer uma pergunta mais especifica fica bem melhor pra te ajudar.

      Excluir
    2. Lembro que vi este documentário a um bom tempo atrás, agora nem lembro. Mas parando para pensar hoje...como que somos escravos hoje em dia? De que forma? Pois vejo muita gente argumentando que o capitalismo é o sistema economico que proporciona a maior liberdade para o individuo. Renegar toda a evolução cientifica e tecnológica e ir viver no mato não me parece uma boa solução, dizer que somos escravos pq temos que trabalhar tbm n me parece mais fazer muito sentido, afinal, se n trabalhassemos, teríamos que caçar e colher nossa própria comida, ou seja, perderíamos o mesmo tempo se não mais do nosso dia tentando conseguir comida.
      Não acredito que o Capitalismo seja um sistema baseado na liberdade, ele é baseado sim no individuo de forma que o desconecta do todo e o põe acima do resto da existencia, de forma que todo o resto são apenas ferramentas para saciar a sua satisfação pessoal. É um sistema baseado no ego e por si só baseado na busca pelo poder. Valoriza a liberdade individual de tal forma que num todo, acabamos nos escravizando. Podemos ver o sistema capitalista como um sistema escravista de forma que ele cria uma barreira entre o ser humano e os recursos naturais, assim temos que lutar, trabalhar e alimentar este sistema para poder sobreviver. Não é, portanto, uma escolha livre.

      Excluir
  7. Na minha humilde opinião, ir para uma comunidade afastada não vai excluí-lo do sistema, dificilmente as pessoas viverão sem luz por exemplo. Acredito muito na revolução das mentes e se todos que tem o conhecimento, ou um pouco dele, que seja, fugir pro mato, quem levará a mensagem para as pessoas? Eu entendo que o auto-conhecimento é algo individual, mas o meio influencia muito, e nesse meio também estamos nós, pessoas com conhecimento. O que esse rapaz fez com o blog é uma boa ideia para passar alguma mensagem. É importante entender se esse vazio ou essa angústia não é tédio da rotina, pois rotina existe em qualquer lugar. Na comunidade afastada, todo dia terá que fazer as mesmas atividade, nos mesmos horários e sem nenhum tipo de "recompensa", a não ser moral. Recompensa essa que nós, meros seres sub-desenvolvidos, estamos acostumados, afinal quando você ou seu filho vai bem na escola, o resultado é sempre algum presente. Como seres sub-desenvolvidos que somos, é natural cometermos vários erros até acertarmos. Thomas Edison, ao criar inventar a lâmpada elétrica, realizou mais de mil experiências até ao ponto de um dos seus colaboradores que trabalhava na sua oficina perguntou-lhe se Edison não se desanimava com tantos fracassos, ao que Edison respondeu:”Fracassos? Não sei do que falas, em cada experiência descubro um dos motivos pelo qual a lâmpada não funciona. Agora sei mais de mil maneiras de como não fazer a lâmpada.” O fato é que há mais uma luta de foice para ver quem é que sabe a verdade sobre a vida, o céu e a terra, Deus, que se esquecem de si. De qualquer forma, você nunca vai saber o que é bom pra você se não tentar, é muito melhor do que se arrepender por não tê-lo feito. Boa sorte abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, não ira mesmo, o sistema precisa ser mudado de dentro para fora. Mas aqueles que estão buscando e criando novas formas de sociedade são os pioneiros, que assim como Edison, tambem precisam cometer erros e acertos para depois nos ensinar sobre isso.

      Excluir
  8. Vivemos em numa espécie de Matrix sim! Mas em uma Matrix real e orgânica, onde também interagimos com verdadeiros robôs orgânicos e programados, pois estes não possuem alma como nós possuímos tipo: peixes, insetos, lagartos, e também algumas aves e pequenos mamíferos. Assim como no filme Matrix, somos prisioneiros, mas a nossa prisão são os nossos próprios corpos e ao morrermos, nossa alma tem a livre decisão de retornar a em outro corpo para um novo aprendizado ou ficar vagando como rebeldes descontentes com o sistema de ensino, pois se recusam a reencarnar e dá continuidade ao processo de aprendizado, pelo método de vivencias assistidas onde aprendemos com situações diversas que lapidam o nosso caráter em situações reais e não teóricas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é a sua crença, você está segregando os outros seres vivos sem muita base pelo o que eu vejo.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...